Devocional

  • Home

  • /
  • Devocional

FUNDAMENTOS DO MINISTÉRIO PASTORAL

 

Fundamentos são importantes. Alguém já disse que "para ser excelente em qualquer esporte é necessário ser bom nos fundamentos daquele esporte".
Creio que se pode dizer isso também do Ministério Pastoral. O/a pastor/a excelente dedica-se de maneira especial aos fundamentos.

Quero sugerir que esses três elementos a seguir são fundamentais na vida de todo/a pastor/a:

1. Amor a Deus:

Quando testado pelos fariseus que lhe perguntaram qual o maior mandamento na lei, Jesus foi muito claro: "Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento Este é o grande e primeiro mandamento" Mateus 22.37

Esse continua sendo o grande desafio para a Igreja. E quem prega ou ensina sobre o relacionamento com Deus precisa ser exemplo dessa realidade.
2. Amor pela Palavra de Deus:

O apóstolo Paulo encerra sua segunda carta ao jovem pastor Timóteo exortando-o da seguinte maneira:

"Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua vinda e pelo seu reino; prega a palavra, insista a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino. Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. Tu, porém, sê sóbrio em tudo..." II Timóteo 4.1-5.

A pregação da sã doutrina é uma prioridade. Portanto o/a pastor/a precisa amar a Palavra de Deus; estudá-la com afinco e pregá-la com paixão.

3. Amor pelo povo de Deus (pelo rebanho que Deus lhe confiou):

Veja a orientação do apóstolo Pedro (aquele que Jesus pediu que apascentasse suas ovelhas) dá aos pastores:

"Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando se manifestar o sumo Pastor, recebereis a imarcescível coroa da glória" I Pedro 5.2-5.

Você ama a Deus? Ama a Palavra de Deus? Ama o povo de Deus? Então que Deus continue a abençoá-lo/a no seu pastorado e na sua liderança na igreja.

Feliz dia do/a pastor/a metodista!

Bispo João Carlos

JESUS NOS DESAFIA EM AMOR

(Lucas 6:27-38)

 

“Se você está à procura de uma religião que o deixe confortável, definitivamente eu não lhe aconselharia o cristianismo.” (C. S. Lewis)

Você já parou para pensar que em nossas vidas diárias estamos sempre querendo levar a melhor (vantagem) sobre as situações que a vida nos impõe?

Este texto que lemos é a continuação do Sermão da Montanha. Para a visão do mundo, tudo que é dito aqui por Jesus é desvantagem para nós. Ele nos propõe atitudes, que precisamos lutar para conseguir praticá-las.

Jesus fala a uma sociedade individualista, que sempre amou fazer pelos seus, por aqueles que mais gostam e assim por diante.

O povo judeu, com todo respeito, são um dos povos mais fechados sobre a face da terra, onde sempre pensaram em fazer pelos seus, mas nunca a ideia de fazer por aquilo que é estranho ou que foge do controle deles.

E a nossa sociedade é diferente?

Estes mandamentos de Jesus são extremamente atuais para os nossos dias. Nunca fomos tão individualistas como somos hoje. Nunca estivemos tão perto (tecnologia), mas ao mesmo tempo tão afastados das pessoas.

 

Eis os desafios de Jesus para nós através do texto de Lucas.

7 AÇÕES PEDIDAS POR JESUS PARA SEREM PRATICADAS:

1ª – AMANDO-AS;

2ª – FAZENDO O BEM PARA ELAS;

3ª – ABENÇOANDO-AS;

4ª – ORANDO POR ELAS;

5ª – RETRIBUINDO O MAL COM O BEM;

6ª – SENDO GENEROSOS;

7ª – TRATANDO COMO NÓS GOSTARÍAMOS DE SERMOS TRATADOS.

 

Voltemos a pensar na frase de início de C. S. Lewis: “Se você está à procura de uma religião que o deixe confortável, definitivamente eu não lhe aconselharia o cristianismo”.

Ao mesmo tempo, pense também no que Jesus dizia a todos: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá; mas quem perder a vida por minha causa, este a salvará. Pois que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, e perder-se ou destruir a si mesmo? (Lucas 9:23-25).

 Que possamos como igreja hoje, aceitarmos estes desafios de Jesus para as nossas vidas. E a ideia de seguirmos a Jesus, não seja por conforto, mas para fazermos a diferença na vida das pessoas através da presença desafiadora Dele em nós.

Pr. Guilherme Alves Simões

 

CONHECENDO DEUS PELA BÍBLIA

 

João Wesley acreditava ser a Bíblia a maior fonte de conhecimento e autoridade: única regra de fé e prática para o cristão. Wesley se declarava ser “homem de um só livro”. Em um dos seus sermões diz:

“A Bíblia é lâmpada para os pés do cristão, bem como, luz para todos os seus caminhos. Ele a recebe como a sua única regra do que é justo e do que é errado, de tudo aquilo que é realmente bom ou mau. Ele nada tem como bom senão aquilo que nela se contém, quer diretamente ou por simples conseqüência. Nada tem como mau senão o que ela proíbe quer claramente ou por inferência inegável. Tudo que a Escritura não proíbe nem ordena quer diretamente ou por simples conseqüência, ele crê que seja de natureza indiferente, nem bom nem mau em si mesmo. Esta é a regra total e única pela qual a sua conseqüência é dirigida em todas as coisas”.

Entendemos que Wesley:

  1. Identificava nas Escrituras a mensagem de Deus aos homens. É a revelação do propósito de Deus de restaurar plenamente tudo e todos, criatura e criação, por intermédio de Jesus Cristo, Senhor e Salvador.
  2. Reconhecia que Deus inspirou aqueles que a escrevera, assim como inspira aqueles/as que a lêem.
  3. Aconselha a meditação constante nas Escrituras para o entendimento melhor da vontade de Deus para a vida pessoal, familiar e comunitária.

Como aproveitar a leitura da Bíblia?

- Separar um tempo determinado durante o dia ou noite;

- Ler, neste tempo separado, um capítulo de um livro do Antigo Testamento e um do Novo;

- Fazer a leitura com humildade, desejando conhecer a vontade de Deus, mas também com o objetivo de praticá-la;

- Prestar atenção às doutrinas abordadas: pecado, justificação pela fé, novo nascimento, santificação interior e exterior;

- Orar antes e ao término da leitura;

- Fazer pausas durante a leitura, buscando um exame interior em confronto com a verdade expressa.

A Palavra de Deus ocupa lugar central na vida de Israel, é a fonte de conhecimento, entendimento e orientação para a caminhada do povo eleito. Muitos textos declaram a importância das escrituras (Dt 4:2; Js 1:7-8. Sl 119:105; Pv 30:5; Is 55:11).

Reconhecemos que Deus falou e continua a nos falar através das Escrituras. Ele fala de si mesmo, fala do homem e da mulher em sua jornada de fé.

Cremos que a verdadeira sabedoria bíblica não consiste em apenas acumular informações a respeito das Escrituras ou simplesmente em recitá-las, mas em praticar o que ensina.

Como Wesley, podemos conservar a centralidade da Bíblia como fonte mais importante de nosso conhecimento de Deus e nossa maior autoridade em matéria de fé.

Extraído – Revista “Em Marcha”

PARA ENTENDER E VENCER O DESÂNIMO

(Neemias 4:6-14) Desânimo é coisa séria por causa de pelo menos três coisas:

1. Desânimo é universal: Ninguém está imune ao desânimo. Todos já estivemos desanimados num momento ou em outro. O desânimo ataca tanto crentes como não crentes, líderes e liderados, pastores mais velhos e pastores mais novos.

2. Desânimo pode ser recorrente: O fato de você ter passado por uma crise de desânimo uma vez, não o torna imune.

3. Desânimo pode contagiar: Desânimo se espalha pelo contato. Pessoas podem ficar desanimadas porque você está desanimado e vice-versa.

O texto de Neemias 4:6-14 nos dá algumas pistas a respeito das causas do desânimo e também algumas pistas para a cura.

No início da construção dos muros, o povo estava animado. Trabalhava com alegria. Em 4:6 diz que “o coração do povo se inclinava a trabalhar”. O trabalho estava indo muito bem até que o povo começou a encontrar algumas dificuldades.

Quando estamos em dificuldades o desânimo começa a tomar conta de nós. Podemos até querer por a culpa no inimigo. No caso aqui o inimigo era Sambalate e seus comparsas. Mas contra esses foi estabelecida uma guarda. Veja o verso 9: “Porém nós oramos ao nosso Deus e pusemos uma guarda contra eles, de dia e de noite, por causa deles”. Então, o inimigo não é a causa do desânimo.

Vejamos as verdadeiras causas:

1. Cansaço: Veja o verso 10: “Então, disse Judá: Já desfaleceram as forças dos acarretadores...”. Eles estavam trabalhando na reconstrução por muito tempo. Depois tiveram que lutar contra os inimigos. Isso esgotou sua força física.

E cansaço físico gera desânimo. Interessante que eles desanimaram quando a muralha tinha sido construída até a metade.

Às vezes quando iniciamos um projeto, num primeiro momento vai tudo bem. É tudo novidade. Mas quando a novidade deixa de existir, a rotina começa a tomar conta e o desânimo vem a reboque. Já teve essa experiência?

2. Frustração: Veja o que eles dizem no verso 10: “...o pó é muito. A sujeira é muita”.

Pense na igreja. Quantas vezes você vai vendo problema após problema, pecado após pecado, desobediência após desobediências. Pessoas que você pensava que tomaria uma atitude mais madura e age como um não crente. Essa é a poeira. E dá a impressão que seu trabalho está sendo em vão.

3. Medo: “nós não poderemos edificar o muro”. Eles estavam prontos para desistir. Temiam não ser capazes de terminar o serviço, e assim ficar desprotegidos.

Quando ficamos com medo queremos fugir, desistir. Parece que a obra é muito grande para os seus pequenos recursos. Se fugissem não teriam cumprido o propósito de Deus na vida deles. Cuidado para que o medo não impeça você de ser fiel ao projeto de Deus para a sua vida.

Vejamos agora, no texto, a cura para essas causas do desânimo:

1. Reorganizar: Uma das primeiras coisas que Neemias fez, e que também devemos fazer quando o desânimo começa a querer nos abater, foi reorganizar-se. No verso 13 Neemias diz: “Pelo que pus guardas nos lugares baixos por detrás do muro e nos altos, e pus o povo, pelas suas famílias, com as suas espadas, com as suas lanças, e com os seus arcos”.

Quando estamos desanimados, uma das coisas que podemos fazer é reorganizar nossas prioridades. Mudar a estratégia, adotar nova atitude. Desistir não é a solução. Não se deixe vencer pelo desânimo. Reorganize-se.

2. Relembrar: A fim de vencer o desânimo precisamos relembrar as promessas de Deus para nós. No verso 14 Neemias diz: “E olhei, e levantei-me, e disse aos nobres, e aos magistrados, e ao resto do povo: Não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e terrível...”.

3. Resistir: Finalmente precisamos declarar guerra contra o desânimo. Não podemos ficar passivos. Note que Neemias diz no verso 14: “pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas mulheres e vossas casas”. Ele chama o povo à resistência. Sabemos que o desânimo é uma das armas mais terríveis do diabo. Mas a palavra de Deus diz: “resisti ao diabo e ele fugirá de vós” (Tiago 4.7b).

Enquanto o cansaço, a frustração e o medo podem nos trazer desânimo, reorganizar nossas prioridades, relembrar o Senhor e resistir ao diabo pode nos fortalecer. Que enquanto aplicamos esses princípios, Deus possa nos dar vitória_

Bispo João Carlos

 

Pedido de Oração - Metodista Central de Londrina

Faça seu pedido agora mesmo, simples rápido e fácil!