Devocional

  • Home

  • /
  • Devocional

A Importância do Sangue de Jesus

Sob a orientação de Deus, Moisés constrói um tabernáculo, institui sacerdotes e um sumo sacerdote (Lv 16:14 e 30).

Como era o tabernáculo?

Possuia um Átrio (externo); sala maior (Santo lugar); sala menor (Santo dos Santos); havia uma cortina que separava o Santo lugar do Santo dos Santos; dentro do Santo dos Santos estava a Arca da Aliança (Hb 9:3-5). Dentro da Arca havia: Maná, o Cajado de Arão que floresceu e as Tábuas da Lei.

Uma vez por ano o Sumo Sacerdote, no dia da expiação, entrava no Santo dos Santos com sangue pelos seus pecados e do povo. Esse sangue era aspergido no propiciatório, na cobertura da Arca da Aliança, e oferecia a Deus para o perdão de seus pecados e do povo. (Hb 9:22).

Tudo era purificado pelo sangue.

Em Gênesis 3:21 após o pecado de Adão (eles viram que estão nus) e Deus confecciona roupas com peles de animais. Para cobrí-los, sangue teve que ser derramado. Em Êxodo 2:7, 26-28, o sangue de um cordeiro foi passado nos umbrais das portas.Onde havia o sangue, Deus passava por cima. Fico imaginando, esse povo merecia ser poupado? livrado? Eram melhores que os outros? Não! O mérito estava no sangue, nos umbrais da porta.

Dentro da Arca da Aliança havia:

Manah: (chegou a ser chamado de Pão Vil, revelando a murmuração do povo contra Deus). O alimento veio dos céus, mas não serviu para aquele povo. Cuidado com a murmuração!
Tábuas da Lei: Foram as primeiras tábuas que ficaram? Foi de Êxodo 20? Não, foi de Êxodo 34, após o povo fazer um bezerro de ouro, um ato terrível de idolatria.Cajado de Arão que floresceu: Foi para Deus manifestar Sua glória? Não, foi diante de uma rebelião do Corá e sua família (levita que quis ser mais que Móises e promoveu uma rebelião. Deus lida com isso diretamente (Nm 10:17). Na prova estabelecida por Deus, o cajado que florescesse determinaria quem Ele levantou. Dos 12 cajados, só o de Arão floresceu (Nm17:1-8). Tudo isso, estava dentro da Arca da aliança, aquilo lembrava o povo e ficava diante dos olhos de Deus (Lv 16:30). O sangue purificava e perdoava Romanos 3:23-26, Paulo pregou sobre isso, João em I João 1:7; 2:2, e Pedro em I Pedro 1:18-19. João Batista olhou para Jesus e disse: "Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" .O que fazer? Confessar! Pecado confessado é pecado perdoado pelo sangue de Jesus.

Pr. Fernando Cesar Monteiro

CONSEQUÊNCIAS DE UMA VIDA APRESSADA

"Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus..."
(Salmos 40:10)

Escrevendo sobre os perigos de vivermos uma vida apressada e agitada, o escritor cristão Frank Powell afirma que somos uma geração "viciada em velocidade, obcecada pela pressa". Ele diz que "nosso ritmo está fora de controle". Buzinamos se a pessoa não sai rapidamente da nossa frente; ficamos irritados nos supermercados procurando a fila com o menor número de pessoas. O Psiquiatra Carl Jung já dizia que "a pressa não é coisa do diabo. A pressa é o próprio diabo".

Frank Powell lista algumas conseqüências da vida apressada, das quais destaco três:

1 . Uma vida a pressada destrói o nosso relacionamento com Deus:
Intimidade com Deus exige quietude; atenção e silêncio. Jesus freqüentemente se retirava para o deserto ou para o monte onde, na presença do Pai, buscava força; confiança e sabedoria para discernir entre a vontade de Deus e a vontade do mundo. E Powell conclui que, a não ser que gastemos tempo à sós com Deus através da oração, a velocidade do mundo irá distorcer nossa compreensão de Deus.

2. Uma vida apressada diminui nossa capacidade de amar o próximo:
Para Frank Powell não é coincidência que a grande passagem sobre o amor, I Coríntios 13, começa dizendo que "o amor é paciente". O amor não é rápido em se irar; o amor não se apressa em julgar. Quanto mais aumentamos a velocidade de nossa vida, menor é a nossa capacidade de amar as pessoas ao nosso redor. "Amor e pressa não podem coexistir".

3. Uma vida apressada obscurece o nosso propósito e diminui a nossa paixão:
Propósito é um termo que está muito na moda nos dias de hoje. "qual o meu propósito" é uma pergunta popular. Numa cultura apressada, o propósito de alguém é determinado pelo que essa pessoa faz! Mas a idéia divina de propósito está maisrelacionada com o que a pessoa é do que com o que a pessoa faz!

De acordo com Frank Powell, uma vida apressada procura respostas nas coisas externas. Mas a vida no compasso divino procura respostas nas coisas interiores.

Deus não se impressiona com a nossa correria. Ele não é glorificado quando assumimos tantas responsabilidades que nossa alma se afoga no cansaço e no descontentamento. Tiremos o nosso pé do acelerador. Diminuamos o compasso. "A nossa velocidade revela quem realmente está dirigindo a nossa vida".

Tenha um abençoado mês de setembro.

Bispo João Carlos

UM MINISTÉRIO SACRIFICIAL

Mensagem Pastoral

UM MINISTÉRIO SACRIFICIAL

"Eu de muito boa vontade gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas. Se mais abundantemente vos amo, serei menos amado?" (II Coríntios 12.15).

Apesar da dureza de coração dos coríntios, Paulo não desistia de seu ministério entre eles. Paulo estava disposto a sacrificar-se pelos coríntios e a amá-los mesmo quando eles recusavam-se a corresponder ao seu amor. O apóstolo recusava-se a permitir que a relutância por parte dos coríntios limitasse seu serviço. O modelo ministerial de Paulo, espelhado no ministério de Jesus nos ajuda a refletir a respeito do nosso próprio ministério e nosso relacionamento com o rebanho sobre o qual Deus nos colocou como pastores e pastoras.

Matthew Henry comenta: "se outros negligenciam seu dever para conosco, isso não significa necessariamente que devamos negligenciar nosso dever para eles".

Se nosso cônjuge não corresponde ao nosso afeto como devem isto não nos dá licença para negligenciar nosso afeto para ele ou ela. Se nossos filhos endurecem seus corações e
nos desobedecem, isso não nos dá liberdade para abandoná-los.

Somos desafiados a amar mesmo quando não somos amados. Como Paulo, não devemos buscar apenas aquilo que nos deixa confortáveis. Somos desafiados a exercer nosso ministério para servir aos outros e, em última instância, para a glória de Deus.

Este tipo de atitude centrada em Deus é raro e, sejamos honestos, é difícil. É contra nossa natureza amar aqueles que não nos amam, servir aqueles que não reconhecem nossos
esforços, buscar o interesse de outros antes dos nossos próprios interesses. Entretanto, sejamos nós pastor ou pastora; marido ou mulher; pai ou mãe; amigo ou amiga seja qual for nossa relação com os outros, este deve ser o nosso alvo (Filipenses 2:1-4).

Buscando esse alvo tornamo-nos melhores testemunha de Jesus que renunciou a tudo para que nós tivéssemos vida. E glorificamos a Deus que "nos amou quando éramos ainda
pecadores".

 

Tenha um abençoado mês de maio!

Bispo João Carlos

INTEGRIDADE

"Quem anda em integridade, anda seguro..." (Provérbios 10.9)

Jó, tornou-se "o maior de todos os do Oriente" (Jó 1.3). Ele era "homem integro e reto" (1.1).

Daniel distinguiu-se entre os seus pares (presidentes e sátrapas) que, com inveja, "procuravam ocasião para acusar a Daniel a respeito do reino; mas não puderam achá-la, nem culpa alguma; porque Danel era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa" (Daniel 6.1-4).

Algo parecido aconteceu com José, a quem Potifar confiou todo o seu reino. José era confiável!

Esses homens não eram grandes pregadores, não tinham grande capacidade retórica, nem eram perfeitos. Mas eles eram íntegros! Integridade foi a marca do ministério de cada um deles e a razão da excelência do seu trabalho no Reino de Deus.

Obviamente a igreja se alegra com algumas características dos seus líderes tais como boa oratória; capacidade administrativa; humor; visão; determinação; força de vontade, etc. Como líderes, nós temos maior ou menor habilidade em cada uma dessas áreas. Integridade, porém, não é negociável.

Na verdade, integridade é o que qualquer empresa espera de seus funcionários; é o que os pais procuram cultivar em seus filhos e filhas; é o que esperamos de profissionais com os quais lidamos no nosso dia a dia, tais como médicos; professores; vendedores. 

Mas acima de tudo, é o que Deus requer daqueles e daquelas que são chamados/as para liderar o seu povo.

Homens como Jó; José e Daniel andaram em integridade nos piores e nos melhores momentos de suas vidas. E porque andaram em integridade, andaram seguros!

Você e eu, com a graça de Deus, também podemos andar em integridade e andar seguros.

No amor de Jesus,

Bispo João Carlos

Pedido de Oração - Metodista Central de Londrina

Faça seu pedido agora mesmo, simples rápido e fácil!